Operação mira quadrilha de presidiários que usava "casal de namorados" em roubo de carros - Segurança - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Polícia27/11/2017 | 09h07Atualizada em 27/11/2017 | 09h07

Operação mira quadrilha de presidiários que usava "casal de namorados" em roubo de carros

Grupo atuava no Rio Grande do Sul e enviava veículos para Santa Catarina

Operação mira quadrilha de presidiários que usava "casal de namorados" em roubo de carros  Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Laboratórios para adulteração em Içara, no Sul de SC Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação

Uma quadrilha que utilizava um casal para roubar veículos na Região Metropolitana do Rio Grande do Sul é alvo de uma operação policial nesta segunda-feira (27). O grupo, comandado por presidiários, realizava, em média, dois roubos semanais. Os veículos roubados eram enviados para Santa Catarina, onde eram clonados e revendidos por até R$ 6 mil. 

A Polícia Civil cumpriu nove mandados de prisão temporária e 14 de busca e apreensão em Canoas, Gravataí e Charqueadas, no Rio Grande do Sul, com a participação de 56 policiais, e em Içara e Araranguá, em Santa Catarina, com a participação de 35 agentes. Pelo menos oito pessoas foram presas, sendo que três foram detidas em SC.

Durante os três meses de investigação da operação Rota Proibida, a Delegacia Especializada de Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) descobriu uma rota entre Canoas e SC. O delegado Thiago Benemann diz que dois irmãos se aliaram a um criminoso catarinense. 

Os três foram presos, sendo um deles ainda em julho deste ano, quando levava um carro roubado para o Estado vizinho. Desde então, a polícia passou a seguir os passos dos bandidos e descobriu que a ordem para o roubo de veículos era dada da cadeia. 

– Sempre armados, um homem e uma mulher agiam juntos, muitas vezes de mãos dadas, como se fossem namorados. No entanto, era uma tática para não atrair a atenção dos proprietários dos automóveis e facilitar os roubos – explica Benemann.

O casal foi reconhecido por fotos em 15 ocorrências. Eles recebiam ordens dos dois irmãos já presos e roubavam somente carros solicitados pelos clientes. Tudo funcionava por encomenda, e todas tinham origem em Santa Catarina. 

Segundo Benemann, o esquema funcionava entre os dois Estados devido à parceria estabelecida entre os irmãos e o criminoso catarinense. Após os roubos, os veículos eram encaminhados para SC e revendidos por até R$ 2 mil. Após serem clonados, eram encaminhados e vendidos por até R$ 6 mil para os clientes.

Benemann destaca que são três líderes: os dois irmãos gaúchos, um deles está no regime fechado e em atendimento no hospital Vila Nova, zona sul da Capital, e o outro, que esteve preso em Arroio dos Ratos e que há pouco tempo foi para o regime semiaberto em Porto Alegre. 

O principal comparsa deles, de Santa Catarina, era o responsável pelas encomendas e está preso na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Além deles e do casal que realizava os roubos, há mais três receptadores e um responsável pela clonagem envolvidos.

operação RS SC
Material apreendido pela Polícia Civil em IçaraFoto: Polícia Civil / Divulgação

Leia mais

Especialistas indicam quais os planos para diminuir a violência

 "O poder público não está dando conta de atender essas pessoas", avalia diretora de direitos humanos do Estado

Processos criminais do acidente da Chapecoense não foram formalizados

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCão terapeuta leva conforto a velórios em Balneário Camboriú https://t.co/vKSN8Tr4RH #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaDagmara Spautz: Cão terapeuta leva conforto a velórios em Balneário Camboriú https://t.co/jxmboyGlTw #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet

Veja também

Jornal de Santa Catarina
Busca